Por uma Marinha Grande mais civica

Eu sempre tive esta ideia meio estranha de defender a existência de aulas de cidadania no currículo das crianças.

Seria util informação sobre a república, sobre o funcionamento autárquico, sobre as instituições do estado, leis e código da estrada, direitos e deveres dos cidadãos etc. Poderia ser uma forma de diminuir a abstenção e gerar eleitores mais bem informados, o que por sua vez traz (creio eu) melhores políticos e melhores politicas.

Mas ensinar cidadania fazia falta antes de mais para ensinar civismo, e por civismo entenda-se formas civilizadas de viver em harmonia numa sociedade organizada.

Quais as consequências do vandalismo? O que significa um bem ser público? Que comportamentos devemos exibir com os outros? E na estrada? E na escola? E com as autoridades? Porque devemos respeitar os nossos cidadãos mais idosos?

Na Marinha Grande, a nossa terra, não sei se este tema é mais ou menos problemático do que noutros sítios, mas é um problema que merecia mais atenção.

– Bicicletas circulam sem luzes, por semáforos vermelhos e sentidos proibidos;

– adolescentes vandalizam brinquedos públicos, parques e paredes;

– pessoas que não respeitam prioridade de atendimento de idosos e pessoas de mobilidade reduzida;

– constante falta de respeito pelos outros condutores a parar em segunda fila, interrompendo transito ou bloqueando outros carros;

– crianças que não respeitam professores;

– adultos que não respeitam autoridades;

– falhas no respeito por quem atende ao público e falhas de quem atende no respeito do público;

– pessoas com dificuldades na praça pública sem auxílio;

– desrespeito e crueldade por animais;

– deitar lixo em lugares impróprios;

– fumar ou fazer ruido onde se incomoda terceiros sem remorsos,

e mais um grande número de situações que vivemos ou assistimos e que condenamos ou lamentamos.

Fazia falta mais civismo. Fazia falta nos marinhenses de hoje, e fazia falta nas nossas crianças, os marinhenses de amanha. Respeitar a Marinha Grande é respeitar os marinhenses e assim respeitar-nos a nós mesmos.

Nota: um bom exemplo que os partidos poderiam dar, já a partir das eleições que se avizinham, era limitar ao mínimo a distribuição de cartazes e material de propaganda eleitoral, e assegurar a sua correta recolha e limpeza logo após as eleições.

Esta entrada foi publicada em Geral, Ricardo Macedo com as tags , . ligação permanente.

3 respostas a Por uma Marinha Grande mais civica

  1. Não posso estar mais de acordo este texto…na sua totalidade! Apenas acrescentava o respeito pelos deficientes!

    Há uma enorme falta de respeito por estas pessoas!

    Mas isto devia fazer parte dos currículos, como bem diz, mas deveria ser o ministério a implantar esta disciplina com carácter obrigatório em todo o país!

  2. Nota: um bom exemplo que os partidos poderiam dar, já a partir das eleições que se avizinham, era limitar ao mínimo a distribuição de cartazes e material de propaganda eleitoral, e assegurar a sua correta recolha e limpeza logo após as eleições.

    Existe legislação que obriga a retirar os cartazes com coimas para os prevaricadores, que infelizmente o município não faz cumprir.

  3. Ricardo Macedo diz:

    De acordo Antonio Jordão. Curiosamente foi assistir a faltas de respeito por cidadãos portadores de deficiências que me levou a escrever este artigo.

Os comentários estão fechados.