Politica e Politiquices

Sempre gostei de politica.

A politica é a nossa vida. A longo prazo, define onde trabalhamos e vivemos, em que condições trabalhamos e vivemos, define o que é certo e o que é errado, e define o que é justo e o que é injusto.

Acredito que muitos dos nossos políticos eram jovens que também gostavam de politica e tinham uma ideia de como deveria ser a sociedade e que queriam corrigir a realidade atual.

Normalmente, a história repete-se. Entram numa juventude partidária ou num determinado partido com muitas ideias e muita vontade. Começam por lutar contra um status quo dentro da estrutura partidária, e por consequência ou adaptam as suas ideias ao partido ou dificilmente ascendem a posições onde possam levar à prática algumas das mesmas. Pelo caminho vão fazendo compromissos e negociações e cedências e no final muito pouco se altera. As pessoas resistem à mudança e a sociedade (e os partidos) são aglomerados de pessoas onde essa a resistência é forte.

Nos sonhos as pessoas mudam os partidos, na realidade os partidos mudam as pessoas.

Quando a nossa camara municipal está dividida entre vários partidos, teoricamente os marinhenses beneficiariam de um conjunto de propostas de todos os quadrantes. Na prática, muitas vezes a camara fica presa a desperdícios de tempo e energia nas lutas politicas, e por razões muitas vezes apenas partidárias não conseguimos compromissos de longo prazo que ultrapassem os mandatos dos autarcas.

O Cristal Atrium, o Estadio, a Piscina, o Mercado, o Teatro Stephens, a ideia de uma circular à Marinha, entre variadíssimos outros são temas que importam aos marinhenses mas que existe dificuldade em conseguir consenso politico na Camara.

Porque é difícil definir o que é melhor para a Marinha? Ou porque muitas vezes o interesse do partido é mais forte do que o interesse da Marinha? Cada partido tem muitas vezes como objetivo desvalorizar a sugestão do outro independentemente do seu mérito, ou seja politiquices.

Posso gostar de politica mas não gosto de politiquices…

 

Esta entrada foi publicada em Geral, Ricardo Macedo. ligação permanente.