Industria 4.0

O Governo está hoje em Leiria a apresentar um pacote de medidas no âmbito da «Indústria 4.0 – Economia Digital», sendo que “estas medidas vão incluir, por exemplo, na área da formação, 20 mil pessoas em ofertas de formação de competências digitais, vão mobilizar fundos estruturais dedicados à Indústria 4.0 em 400 milhões [de euros], vão envolver 50 mil empresas em medidas incluídas na estratégia nacional de digitalização da economia”, nas palavras de Manuel Caldeira Cabral, Ministro da Economia, hoje ao jornal Expresso.

Não é difícil intuir do significado e da importância deste programa de investimento do Governo na indústria nacional não sendo de somenos importância e significado que a apresentação do mesmo se faça em Leiria, mais propriamente, nas instalações do Instituto Politécnico de Leiria.

O famoso eixo industrial Marinha Grande – Leiria (a que podemos acrescentar Pombal) é estruturante para a economia nacional que muito tem sido valorizado e enriquecido com a investigação científica e tecnológica promovida pelo IPL nos seus diversos pólos. O dinamismo económico e industrial da Região assenta no entanto na capacidade empreendedora dos muitos Empresários que, muitas das vezes, «estão à frente do seu tempo» na medida em que conseguem antecipar, pela sua proximidade ao mundo global, os desafios do futuro, canalizando para aí os seus investimentos!

O que falta ainda (porventura!) será a capacidade para congregar esses esforços numa visão mais alargada que considere não apenas os benefícios próprios dos investidores mas o desenvolvimento global, integral, do Território.

A Marinha Grande é um território industrial.
É a Indústria que, mais que qualquer outra realidade, está no seu código genético!

Pensar (e)M Grande, Pensar a Marinha Grande terá de forçosamente significar pensar a Indústria nesta correlação com o Território, com o seu desenvolvimento (económico e social), o que só poderá acontecer se for constituída uma plataforma de diálogo e de cooperação (numa espécie de concertação social local) permanente!

Essa plataforma que já existiu, e se constituiu num Pacto Territorial para o Emprego (PTE), e que precisa de ser recuperada para podermos pensar e projectar o futuro do Concelho com uma ambição maior que não apenas a de satisfazer necessidades imediatas e básicas!

De mãos dadas com a Indústria, a Marinha Grande poderá muito bem ser, ela mesmo, um Município 4.0, apontado para o futuro!

Esta entrada foi publicada em Nelson Araújo com as tags , , , . ligação permanente.