Pensar pela própria cabeça e ajudar a Marinha a ser Grande

A Marinha Grande é reconhecida como terra de grandes lutas operárias e de gente que reivindica. Ainda bem que o é, só assim conseguiu crescer, pois o descontentamento de muitos, fez com que tivessem a audácia e coragem de procurar mais e melhor para si e, por inerência, para com aqueles que embarcaram na mesma aventura. Refiro-me a empresários que começaram por ser operários. Bem como a auto-didactas em diversas áreas, como a pintura, a música, o desporto. A Marinha Grande é uma terra de muitos self-made man, ou por outra, gente que cresceu a pulso.

Por outro lado, a Marinha Grande é uma terra onde as suas gentes têm algum espírito de seguidismo. Com fortes influências de grupos organizados, nomeadamente partidos políticos, onde surge algo que, a mim, pessoalmente, muito me inquieta, que é “os nossos e os outros”. Os que são da minha cor são excelentes e os outros não prestam… como se isto pudesse ser verdade!
Conheço e tenho relações de amizade com gente de bem de todos os partidos políticos, bem como tenho amigos nos movimentos independentes que foram surgindo na nossa cidade. Identifico-me com muito do que defendem quase todos, só não gosto de embarcar nessa partidarização e espartilho do pensamento. Gosto de utilizar a minha cabeça para pensar e ter as minhas ideias sobre as mais diversas temáticas. É nesse sentido que aceitei este desafio de Pensar e(M) Grande… Pensar a Marinha Grande. É esse o compromisso a que me proponho. Pensar a minha amada terra e partilhar com os meus conterrâneos essas ideias. Não pretendo influenciar, seja quem for, a pensar como eu, mas sim para que todos possam pensar por si só e, todos juntos, possamos ajudar a Marinha a ser Grande.
Aproveitarei para também ir reflectindo sobre os temas que os meus colegas de painel nos forem brindando. E aproveitarei para ir sonhando com uma Marinha Grande cada vez maior e melhor… porque, como escreveu António Gedeão e o nosso Manuel Freire imortalizou de forma musical “sempre que o homem sonha, o mundo pula e avança”.
Esta entrada foi publicada em Orlando Joia. ligação permanente.